Passeios
sobre os passeios | notícias | arquivo

Arquivo

Aqui poderá consultar o arquivo de notícias relativas às actividades passadas
Para saber mais sobre as actividades do Clube
› contacte-nos

14 Km percorridos em 5 horas para encerrar o ciclo dos 4 passeios pedestres em Sintra
— Sintra, 5 junho
Notícia junho 2016

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

  • Passeio pedestre em Sintra. Quinze caminheiros concluíram o trajecto de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado em 5 horas. Apesar do cansaço e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.


Com esta caminhada conclui-se o ciclo Sintra. Os caminheiros que fizeram as 4 actividades por nós organizadas ( Sintra/Parque da Pena, Barragem do Rio da Mula / Peninha, São Pedro de Penaferrim / Sintra pela Vila Sassetti e Sintra Megalítica ) , ao calcorrear zonas urbanas, parques, matas de beleza ímpar, monumentos megalíticos, ermidas, miradouros naturais, encostas com grandes desníveis e matas surpreendentes, certamente que melhor poderão apreciar o acerto das palavras de Virgílio Ferreira quando escreveu …. “ Sintra, o mais belo adeus da Europa quando esta, enfim, encontra o mar”. Local de beleza, por vezes, quase asfixiante, com vestígios de antigas, ou muito antigas, culturas e religiões, será, no seu conjunto, um santuário a visitar e preservar. Para nosso deleite e, esperemos, das gerações futuras.

Após várias tentativas falhadas devido ao mau tempo, neste Domingo 5 de Junho, apesar do nevoeiro da fase inicial, foi possível realizar a caminhada prevista. Quinze caminheiros, o mais velho com 72 anos, aceitaram o desafio. Todos concluíram um trajecto com cerca de 14 Km, 600 mts de desnível acumulado e 5 horas de duração. Apesar do cansaço, e da fome, no final da jornada a satisfação era generalizada.

Aos companheiros, Luís G., João Santos, José Agostinho Rocha e Vitor Fernandes, o agradecimento pelas fotografias cedidas.

Passeio Pedestre Entre Parques
— Reagendado para quarta-feira, 18 de maio
Notícia maio 2016

  • Parque Florestal de Monsanto
    Foto: Manuel Botelho (https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Parque_de_Monsanto_5557.jpg)


Vamos fazer uma pequena caminhada pelo Parque Florestal de Monsanto. São cerca de 4 km, ao encontro dos Parques do Alvito e da Pedra. É um simples passeio na natureza, disponível aqui à nossa porta.

Participe. Junte-se ao grupo no dia 18, na Av. José Malhoa às 12h30.

Ponto de encontro: Av. José Malhoa, 25
Concentração: 12h30
Início: 12h40
Grau dificuldade: Baixa

A não esquecer:
Levar roupa e calçado adequados. Levar merenda, água q.b.
Sem marcação prévia, sem grupo mínimo, sem seguro

Cartaz (.pdf)

Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros
— Sábado 30 de abril
Notícia maio 2016

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros

  • Passeio pedestre em Sintra junta 40 caminheiros


Finalmente o tempo colaborou e foi possível realizar a actividade prevista. No local e hora marcados, um grupo de 40 caminheiros, com um leque alargado de idades, dos dez aos sessenta(s), iniciou o desafio de percorrer as encostas do Monte da Lua, e ficar a conhecer alguns dos seus segredos.

A subida de São Pedro ao Castelo dos Mouros, pelo Monte Sereno, preparou o corpo para o esforço físico necessário. Após visita a alguns pontos museológicos, a descida para Sintra, pelo Penedo da Amizade e a Vila Sassetti, reconfortou o espírito, devido à beleza das matas e às vistas soberbas que as alturas permitem. Após paragem em Sintra, para descanso, a subida para a Pena iniciada em Seteais, feita por caminhos rurais num ritmo pausado, correu normalmente. Na fase final, visita à Ermida de Santa Eufémia, para, a partir do seu cruzeiro-miradouro, ver a excelente vista e falar sobre a Lenda deste lugar.

Tudo correu normalmente, sem desistências nos 10 km andados, apesar do cansaço dos menos habituados a caminhadas. Em Sintra, segundo disseram devido a compromissos familiares, quatro companheiros abandonaram a actividade.

A caminhada vespertina, devido à fraca adesão, somente dois caminheiros aceitaram o desafio, realizou-se em versão reduzida. Uma pequena volta de 4 km pela Peninha, Mata Encantada e Parque das Pedras Irmãs. Talvez tenha sido um dia bem trilhado.

Um dia em Sintra
— Sábado 30 de abril
Notícia abril 2016

  • Um dia em Sintra. Dois programas De São Pedro de Penaferrim a Sintra e Das Pedras Irmãs, Peninha, à Pedra Amarela. Sábado 30 abril
    Foto © João Vicente | Castelo dos Mouros


Nesta iniciativa propomos dois trajetos, um de manhã, De São Pedro de Penaferrim a Sintra, e outro à tarde, Das Pedras Irmãs, Peninha, à Pedra Amarela.
Junte-se ao grupo. Não necessita de marcação.

Manhã | concentração Parque Feira S. Pedro (Praça D. Fernando II) 8h45; início 9h; duração 4h
De São Pedro de Penaferrim a Sintra

Subida ao Castelo dos Mouros pelo Castelo do Gregório. Descida para Sintra pela Vila Sassetti. Paragem na Piriquita para retemperar as forças. A subida, no retorno, será feita partindo de Seteais, por caminhos rurais entre muros de quintas, passando pela entrada dos lagos do Parque da Pena. Próximo do final, passagem pela Ermida de Santa Eufémia.
Extensão 9 Km, ritmo moderado para permitir usufruir da beleza das matas e das vistas soberbas.

Tarde (se houver interessados) | concentração 15h; início 15h30; duração aprox. 3h
Das Pedras Irmãs, Peninha, à Pedra Amarela

Com início na Peninha, por trilhos e estradões sempre muito arborizados, iremos até à Pedra Amarela passando pelo Alto do Monge.
Extensão 9 Km, ritmo moderado para permitir usufruir a beleza das matas.

A não esquecer: Levar roupa e calçado, adequados. Apesar da meteorologia indicar tempo bom é conveniente alguma precaução. Levar merenda, água. Almoço – Sugere-se merenda para pic-nicar no parque das Pedras Irmãs. Há restaurantes em São Pedro.
Sem marcação prévia, sem grupo mínimo, sem seguro.

Cartaz (.pdf)

Percursos Pedestres — Caminhada da Malhoa à Boavista
— Sábado, 27 de fevereiro
Notícia fevereiro. 2016

  • Percursos Pedestres — Caminhada da Malhoa à Boavista. Sábado, 27 de fevereiro
    Foto: Palácio Belmonte http://www.cm-lisboa.pt/equipamentos/equipamento/info/palacio-belmonte-patio-de-dom-fradique


Vamos ao encontro do futuro, corporizado pelo novo edifício sede da EDP. Nem sempre o melhor caminho é o mais directo. Por vezes, como na vida, a melhor opção é ir "à volta".

As voltas que Lisboa proporciona são imensas. Neste caso, passar pelo Palácio Belmonte, um dos edifícios mais velhos da cidade, guardião da Lisboa antiga, vai enriquecer o percurso, e ajudar a encarar o futuro, a modernidade, com optimismo. A sua origem remonta a 1499, sendo a 1ª fase da configuração actual, da responsabilidade de Pedro Álvares Cabral, datada de 1503.

O caminho também se fará de miradouros e escadinhas que se descem, como as do Duque, ou que se sobem, como as da Saúde e do Marquês de Ponte de Lima. O Ascensor da Bica e o Mural da Amália, em calçada portuguesa, ajudam a colorir o caminho. Talvez seja uma manhã bem passada.

Caminhada Linear: Urbana
Partida: Av. José Malhoa, 25A ( EDP Valor )
Chegada: Av. 24 de Julho, 12 ( Sede EDP )
Concentração: 8h30h, Av. José Malhoa, 25A Partida- 8h45
Duração: 4 Horas
Distância: 12 Km
Dificuldade: Média Baixa
Desníveis: alguns acentuados
Estacionamento: Nas zonas circundantes

A não esquecer: Levar roupa e calçado adequados, merenda, água.
Sem marcação prévia, sem grupo mínimo, sem seguro

Cartaz (.pdf)

Percursos Pedestres — Pelo Corredor Verde até à Gulbenkian
— Quarta-feira, 3 de fevereiro
Notícia fevereiro. 2016

  • Percursos Pedestres — Pelo Corredor Verde até à Gulbenkian — quarta-feira, 3 de fevereiro
    Foto: João Vicente


O Corredor Verde permite caminhar, quase sempre longe do trânsito rodoviário, até ao Jardim da Gulbenkian. De caminho, vamos passar pelo Jardim Amália Rodrigues e ver a magnífica vista para terras da margem sul. Regresso pelo Bairro Azul. Serão 5 Km, cerca de 1h 30m, para preparar o repasto ou ajudar a digestão.

A não esquecer: Levar roupa e calçado adequados. Levar merenda, água q.b.
Sem marcação prévia, grupo mínimo, seguro.

Cartaz (.pdf)

Percursos pedestres Sintra Megalítica
— Sábado, 10 de outubro, Lisboa
Notícia 30 set. 2015

  • Face oeste e portal da Anta de Adrenunes. Passeio Pedestre Sintra Megalítica | 10 outubro 2015
    Foto: Ricardo Alves da Silva (https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Adrenunes_%26_Peninha_20110513_0649c.jpg)


Esta caminhada procura completar a efetuada em 15 de março deste ano. Sendo um percurso fácil em que os maiores desníveis (2) serão feitos no sentido descendente, irá dar maior ênfase aos 2 maiores monumentos megalíticos da serra. A anta do Alto do Monge, já por nós visitada e, a anta de Adrenunes que, apesar de não ter vestígios conhecidos de utilização como monumento funerário, tem uma localização, beleza e orientação que ampliam o misticismo do lugar.

Com início na Peninha, por trilhos e estradões sempre muito arborizados, iremos até à Pedra Amarela passando por aqueles monumentos. No final, poderão aproveitar a bela Mata das Pedras Irmãs,junto ao parque de estacionamento, dotada de mesas e bancos, para um bom pic-nic. Traga merenda e experimente.

Como pontos de interesse podemos referir: A beleza das matas, vistas soberbas, se o tempo permitir, Peninha, Tholos do Monge, Adrenunes, Fonte dos Romeiros, Fonte das Pedras Irmãs, Ermida de São Saturnino, Pedra Amarela.

Ponto de encontro:Parque de Estacionamento da Peninha
Como chegar: IC19 até ao fim, saída à Esq. para Sintra, passa Ranholas, sobe e na rotunda vira à Esq. para Cascais. Após cerca de 2,8 km, cruzamento apertado à Dta, nas placas Malveira da Serra/Penha Longa/Lagoa Azul/Golfe, estrada N9-1. Após 6,3 km antes da descida para Malveira da Serra, cruzamento à direita para a Peninha. Subir cerca 1,8 Km e virar à Esq. Mais um puco e chega ao destino. Se vier da Malveira, subir pela Estrada da Serra e, no final da subida, virar à esquerda no cruzamento anteriormente assinalado.
Coordenadas geográficas (GPS): 38°46'09.07"N 9°27'32.18"W
Concentração: 09h15m - Início 09h30m;
Duração aproximada 3h30m
Piso: Trilhos florestais e estradões de terra batida
Extensão aproximada: 11 Km
Grau de dificuldade: Fácil
Desníveis: 2 descidas com significado. Pela natureza do percurso, a extensão e/ou duração podem ter ligeiras variações.

A não esquecer: Levar roupa e calçado, adequados. Apesar da meteorologia indicar tempo bom é conveniente alguma precaução. Levar merenda, água q.b Sem marcação prévia Sem Grupo Mínimo Sem seguro

Cartaz (.pdf)

Percursos pedestres O segredo do parque
— Terça, 15 de setembro, Lisboa
Notícia 10 set. 2015

  • Jardim Amália Rodrigues. Inaugurado em 1996 com a designação de Alto do Parque, foi renomeado em 2000 para homenagear a fadista. Está localizado a norte do Parque Eduardo VII, numa área central e das mais altas da cidade, possuindo portanto magníficas vistas (fonte: http://www.cm-lisboa.pt)
    Foto: bjaglin (https://flic.kr/p/8LExRe)


Subindo o Parque Eduardo VII até à Alameda Amália Rodrigues, e aproveitando o Corredor Verde de Monsanto, vamos descer até ao Miradouro junto à Universidade Nova de Lisboa. Deixando a soberba vista para o PFM e Aqueduto, continuando pelo Bairro Azul, subindo novamente o Parque, talvez se possa desvendar o segredo … “Deixem-me ouvir o que ouço… “

Serão 4 Km, cerca de 1h 15m, para preparar o repasto ou ajudar a digestão.

Ponto de encontro: Rua Camilo Castelo Branco, 46
Concentração: 12h30; Início: 12h40
Piso: misto
Grau de dificuldade: Médio/baixo
Tipo: Circular
Desníveis: Alguns acentuados
Não esquecer: Roupa e calçado adequados, merenda, água.
Sem marcação prévia, grupo mínimo, seguro.

Cartaz (.pdf)

Passeio pedestre Ascensores de Lisboa — relato e fotografias
— Domingo, 24 de maio 2015
Notícia 29 maio 2015

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas
    Foto: Manuel A. Madeira

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas

  • Passeio pedestre Ascensores de Lisboa. Caminhada urbana de 14km, com a duração de cinco horas


Desta vez, o pretexto foram os ascensores e, doze
caminheiros aceitaram o desafio de deambular pela Lisboa antiga. À hora prevista, deixámos o Marquês de Sá da Bandeira no seu sossego e iniciámos a jornada. Primeira paragem para ver a entrada do Ascensor da Bica após o que, seguindo pelo Largo de Santo Antoninho, fomos até ao Miradouro de Santa Catarina. O dia soalheiro e a atmosfera límpida permitia usufruir, na totalidade, das suas magníficas vistas. Na presença do Adamastor, figura e mito que nos incita a encarar o futuro sem ligar aos medos do presente, verificámos que o edifício da nova sede da EDP está, práticamente concluído.

Após a visita ao Mural que, na colina das Chagas, explica a origem e a identidade do Bairro da Bica, subimos pelo trajeto do ascensor até ao Bairro Alto. Atravessando-o pela Rua da Rosa até ao Príncipe Real, descemos para os Restauradores ao encontro da Calçada da Glória, onde percorremos os 276 metros do percurso do ascensor.

A subida do percurso do elevador do Lavra foi o passo seguinte. Num sobe e desce constante, o percurso levou-nos até ao Largo do Intendente, de onde partimos para o Miradouro da Senhora do Monte. Um desnível de 73 metros, vencidos com entusiasmo. A passagem do Bairro da Graça para Alfama, feita pela Igreja de Santo Estevão, levou-nos ao Miradouro das Portas do Sol. Aproximava-se o final desta caminhada urbana de 14km, feita num ritmo descontraído, com a duração de cinco horas.

Com o Mercado da Ribeira Nova à espera, ainda a passagem por São Cristovão e o Bairro da Mouraria com a sua rua das memórias fotográficas e, o Largo da Achada com dois prédios que resistiram ao terramoto de 1755. Um agradecimento aos companheiros que, transmitindo conhecimentos sobre vários aspectos da história de Lisboa, ajudaram a enriquecer esta atividade.

Colina acima, colina abaixo
Passeio pedestre Ascensores de Lisboa
— Domingo, 24 de maio 2015
Notícia 18 maio 2015

  • Ascensor do Lavra
    Foto: Ingolf (https://flic.kr/p/dwvoMJ)

  • Ascensor da Glória
    Foto: Manuel Menal (https://flic.kr/p/fbsuL9)

  • Ascensor da Bica
    Morgaine (https://flic.kr/p/74pDpG)

  • Elevador de Santa Justa
    Foto: Sfreimark (https://flic.kr/p/qtu95v)


Criados para ajudar a população de Lisboa a vencer os declives naturais da cidade, resultando de um programa de obras públicas dos finais do século XIX, são, nos nossos dias, um dos emblemas de Lisboa. Projetados e construídos sob a direcção de Raoul Mesnier de Ponsard, de origem francesa, mas nascido no Porto, chegaram aos nossos dias após várias renovações tecnológicas (contrapeso a água, central de vapor, electricidade) quatro exemplares, de um conjunto mais alargado.

Vamos começar pelo Bairro da Bica, cujo ascensor percorre o vale resultante da catástrofe natural de 1597, terramoto que provocou o deslizamento de terras entre Alto de Stª Catarina e o Alto das Chagas. Do miradouro de Stª Catarina, para além das vistas, vamos observar a futura sede da EDP. O objetivo é percorrer, sempre no sentido ascendente e desde que as condições de segurança o permitam, o percurso dos ascensores, passar pelos miradouros e ver um pouco da Lisboa antiga. Vamos, durante o percurso, verificar a falta que um meio destes faz para percorrer um declive particularmente acidentado.

Ponto de encontro: Junto à estátua do Marquês de Sá da Bandeira, na Praça D. Luis I, jardim (junto ao Mercado da RibeiraNova)
Concentração: 8h15; Início: 08:30h
Duração: aproximada: 4h30
Extensão aproximada: 14 Km
Grau de dificuldade: Médio
Tipo: Circular
Desníveis: Alguns acentuados
Estacionamento: Nas zonas circundantes.
Não esquecer: Roupa e calçado adequados, merenda, água.
Sem marcação prévia, grupo mínimo, seguro.


› Cartaz (.pdf)

Voltinha com glória à hora de almoço (imagens)
Notícia 18 maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015


Voltinha com glória à hora de almoço
— Quinta-feira, 14 de maio 2015
Notícia 4 maio 2015

  • Voltinha com Glória à hora de almoço. Quinta-feira, 14 de maio 2015


Sob o mote maio — mês do coração, realizamos, na próxima quinta-feira dia 14, uma voltinha com glória à hora de almoço.

Percurso pedestre por Santa Marta, subimos até à rua do Passadiço e seguimos até ao Miradouro do Tourel. Descemos a avenida e subimos pela Calçada da Glória até ao Miradouro de São Pedro de Alcântara. Regressamos pelo Jardim da Praça da Alegria e Avenida.

Junte-se ao grupo. Não é necessário inscrição!

Ponto de encontro: R. Camilo Castelo Branco, 46
Concentração: 12h30
Início: 12h40
Duração: 1h45/2h
Piso: Urbano
Grau dificuldade: Médio
Tipo: Circular
Desníveis: Algumas subidas e descidas com significado.

A não esquecer: Roupa e calçado adequados, merenda, água q.b.
Sem marcação prévia, sem grupo mínimo e sem seguro.

Cartaz (.pdf)

Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra
— Sintra, 21 de março 2015
Notícia 25 março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015

  • Relato do passeio pedestre na Serra de Sintra — 21 de março 2015


O desafio de conhecer a encosta sul da Serra de Sintra, entre a Barragem do Rio da Mula e a Peninha, foi aceite por 19 caminheiros. O mais velho com setenta e seis (76) anos. Todos cumpriram o objectivo proposto sem qualquer percalço, após 5h e 45m de caminhada.

À hora prevista, 8h 45m,iniciámos a jornada. O tempo ameaçava chuva mas a temperatura estava amena, óptima para esta actividade. Na primeira subida, prolongada, até ao cimo da Pedra Amarela, os pingos de chuva fraca não provocaram qualquer desânimo. No alto, a constatação que a visibilidade não era a ideal mas, ainda assim, permitia vistas soberbas.

Foram 18,5 km de constante sobe e desce, por trilhos e estradões que nos desvendaram um pouco daquele “universo” verde que, erguido do azul do mar, tão bem harmonizou bosques, pedras e fontes de água cristalina.

São 2 os aspectos negativos a apontar. A necessidade, urgente, do combate às espécies vegetais invasoras: mimosas e outras acácias. A necessidade de dignificar o espaço do monumento megalítico do Alto do Monge.

No final, apesar do cansaço, a satisfação de termos pisado aquele chão e, já a saudade do que vimos.

Última Nota: Há a intenção de fazer uma “trilogia” de caminhadas por Sintra. Esta, a mais trabalhosa, agora concluída. As outras 2, mais curtas, poderão ter “pic-nic”, e serão feitas em ritmo mais lento, sem limite de tempo. Uma a ligar Peninha, Adrenunes e Pedra Amarela. A outra, mais urbana (já parcialmente conhecida dos companheiros de Setúbal), liga a vila à Cruz Alta, no parque da Pena, e durante a tarde a visita à Quinta da Regaleira.

No sítio http://clubeedpsetubal.weebly.com/ , está disponível um pequeno vídeo da caminhada.

Relato do passeio pedestre na Serra de São Luís
— Setúbal, 22 de fevereiro de 2015
Notícia 25 março 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015

  • Passeio pedeste Serra de S. Luís — Setúbal, 22 de fevereiro de 2015


O plano estava traçado, 12km em 4horas e meia. Desta vez foi o piso da serra de S. Luís que os 31 caminheiros percorreram sempre com energia.

Com o sol a brilhar, foram atingidos os 400 metros do ponto mais alto da serra. Daqui, a vista sobre Setúbal, Troia, e o estuário do Sado, só por si, vale o esforço despendido. Mas para norte, até onde avista alcança, Coina, Montijo e terras de Alhandra e Vila Franca. Rodando mais um pouco surge, bem definido, todo o maciço central da Serra da Arrábida. Era tempo de voltar, passando pela capela de São Luís e pala Via Romana do Viso.

O local, pela beleza e grandiosidade das vistas, merecia uma maior adesão.

Passeio pedestre na Serra de Sintra
— sábado, 21 de março 2015
Notícia 16 março 2015

  • Peninha
    Foto: F. Mira (https://flic.kr/p/6fb7DT)

  • Convento dos Capuchos
    Foto: Kacka a Ondra (https://flic.kr/p/5BXU6M)

  • Convento dos Capuchos
    Foto: Endless Autumn (https://flic.kr/p/8wEEMG)

  • Santuário de Nossa Senhora da Peninha
    Foto: Tiago Lima (https://flic.kr/p/bSjtng)

  • Fonte dos Romeiros
    Foto: Manuela Marcelino (http://www.icnf.pt)

  • Tholos do Monge
    Foto: http://www.patrimoniocultural.pt/


Para os caminheiros dos trilhos da Arrábida e do Espichel, o fascínio daquele longínquo manto verde, que serenamente se derrama no mar, é um doce tormento. Chegou finalmente a hora de conhecer alguns dos segredos da Serra de Sintra “ … o mais belo adeus da Europa quando, enfim, encontra o mar”, segundo Virgílio Ferreira no seu diário Conta Corrente.

Pela encosta sul, ao longo de 17 km, por trilhos e estradões sempre muito arborizados, com início na Barragem do Rio da Mula vamos unir os restantes vértices do triângulo: Peninha e Convento dos Capuchos. Com declives acentuados, vamos caminhar entre os 143 metros da barragem e, os 491 metros do Alto do Monge, passando pela Pedra Amarela (406 metros) e Peninha com 460 metros.

Como pontos de interesse podemos referir a beleza das matas. Dizem que há locais onde ainda se avistam ninfas e gnomos. Será!? Vistas soberbas, se o tempo permitir, - Tholos do Monge, Fonte dos Romeiros, Fonte das Pedras Irmãs, Ermida de São Saturnino, e Alto da Memória.

Ponto de encontro — Barragem do Rio da Mula
Como chegar: IC19 até ao fim, saída à Esq. para Sintra, passa Ranholas, sobe e na rotunda vira à Esq. para Cascais. Após cerca de 2,8 km, cruzamento apertado à direita, nas placas Malveira da Serra/Penha Longa/Lagoa Azul/Golfe. Após 3,5 km no fim de descida prolongada, cruzamento à Dta. Subir cerca de 300 m, atenção a bifurcação com sentido único, mais um pouco e virar à esquerda para estacionamento.
Coordenadas geográficas (GPS): 38°45'49.8"N 9°25'21.0"W
Concentração: 08h30 - Início 08h45
Duração: aprox. 5h
Piso: Trilhos florestais e estradões de terra batida.
Extensão aproximada: 17 Km
Grau dificuldade: Médio + Circular
Desníveis: Algumas subidas e descidas com significado. Pela natureza do percurso, a extensão e/ou duração podemter ligeiras variações.

A não esquecer:
Levar roupa e calçado adequados, merenda, água q.b.
Sem marcação prévia, sem grupo mínimo

Atividade conjunta com a Delegação de Setúbal do Clube EDP



› Cartaz (.pdf)

Passeio pedeste Serra de S. Luís
— Setúbal, 22 de fevereiro de 2015
Notícia 19 fev. 2015

  • Passeio Pedestre Serra São Luís, Setúbal
    Foto: Rafael Rodrigues (http://trilhosnanatureza.blogspot.pt)


O desafio de S. Luís será um percurso para os caminheiros mais resistentes, mas nada que já não tenhamos feito. Com um grau dificuldade de média alta, o percurso começa no Grelhal e vamos subindo gradualmente até alcançarmos o marco geodésico a 400 mts. São 12 Km de alguma exigência, recompensados depois pelas vistas panorâmicas sobre Setúbal e todo Estuário do Sado. Para além da natureza, este é o lugar perfeito para viver, sentir, e conhecer Setúbal bem lá do alto. Atreva-se e venha connosco!

Dados Técnicos

Ponto de encontro: Rua da Alfarrobeira – Grelhal - Setúbal
Como chegar; EN 10 no sentido Azeitão - Setúbal, 500mts antes das bombas da BP encontra a indicação Grelhal e estrada Romana, voltar aí seguir em frente até encontrar uns armazéns, está no local do encontro.
Coordenadas geográficas (GPS): “ N38º31'48.94'' W08º55'20.84'''
Concentração 08h30 - Início 08h45 – Duração aprox. 4h30
Piso: Trilhos de natureza e terra batida.
Pontos de interesse: Paisagens envolventes.
Extensão da Trilha aproximada: 12 Km
Grau dificuldade: Moderado +l
Topologia: Circular
Desníveis: Algumas subidas com significado.
Percurso: em ambiente natural, PNA.

A não esquecer

Levar roupa e calçado, com sola aderente
Levar pequena merenda, água q.b.
Sem marcação prévia, sem grupo minímo, sem seguro
Atividade conjunta com a Delegação de Setúbal do Clube EDP

Relato do Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco
— Arrábida, 1 de fevereiro de 2015
Notícia 04 fev. 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015

  • Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco, 1 fevereiro 2015


Finalmente, após 2 tentativas falhadas, houve condições de segurança para se fazer a atividade. Às nove horas em ponto, os 37 participantes estavam preparados para as quatro horas de caminhada que nos iam levar ao topo da Serra do Risco. Mas antes, a visita a um dos lugares mágicos da Serra da Arrábida, a Ribeira do Risco e as suas Marmitas de Gigante. Local onde os reinos, mineral moldado pelas águas da ribeira, e vegetal, denso e luxuriante, atapetado de líquenes, se harmonizam na perfeição. Atravessada a ribeira subimos até ao topo da serra, ao encontro da falésia que se derrama num mar de azuis, ora intensos, ora turquesa. O regresso, por trilhos dissimulados na vegetação densa e enleante, permitiu verificar na prática, a necessidade de utilizar vestuário que proteja bem o corpo. A chuva apareceu 2 vezes para refrescar os caminhantes. A lama, uma constante nos 12 km do percurso, foi mais um desafio que se ultrapassou com alegria. Enfim, uma aventura que nos permitiu descobrir um mundo oculto e tão próximo, cuja beleza nos coloca os pés na terra e a cabeça no céu. Venha a próxima caminhada, pois a energia não falta.

No link http://clubeedpsetubal.wix.com/clubeedpsetubal pode ver o vídeo da caminhada.

Passeio Pedestre Arrábida, Terras do Risco
— Arrábida, 1 de fevereiro de 2015
Notícia 23 jan. 2015


Uma vez que não se efectuou no dia 18 de janeiro devido ao mau tempo, remarcamos o passeio para dia 1 de Fevereiro.

Esta nossa caminhada, leva-nos pelas terras do Risco até às Marmitas de Gigante onde a grande aventura é percorrer a ribeira do risco. A visita a este local de interesse geológico, só se fará se houver condições de segurança. Depois de ver e sentir o verdadeiro poder da natureza, continuamos a nossa caminhada, pela várzea, onde subiremos para observar o mar e a Serra da Arrábida.

Nota : Esta actividade é conjunta, vamos à boleia do Grupo de Caminheiros do ClubeEDP de Setúbal. Sem marcação prévia, sem seguro e sem grupo mínimo.

› Cartaz (.pdf)

Relato do passeio pedestre Rota do Risco e Marmitas
— Serra do Risco, Pedreiras, 23 de novembro de 2014
Notícia 28 nov. 2014


Estava uma manhã de tempo pouco agradável mas, nove caminheiros marcaram presença jornada. O Sol nunca apareceu no céu cinzento a ameaçar chuva, o que veio acontecer já na parte final. Quatro horas bem passadas. Doze quilómetros caminhados com entusiasmo e vigor, por largos estradões e trilhos mais ou menos apertados. Quilos de lama a colarem-se às solas, na última metade do percurso. Uma aragem fria, quase de inverno, recebeu-nos no ponto mais alto do percurso. A mancha verde ancestral e soberba, aqui e ali cortada por uma ou outra clareira que os javalis lavraram a preceito durante a noite, foi a nossa fiel companheira.

A subida da Ribeira do Risco, no acesso às Marmitas, estrada de pedregulhos polidos pelo bater milenar das águas e dos calhaus arrastados pelo caudal, acabou por não se fazer em prol da segurança. No regresso, apesar da paisagem destruída pela exploração das pedreiras, a certeza do dever cumprido para com a saúde do corpo, e a satisfação da alma preenchida. Sobre a próxima caminhada daremos notícias em breve… Até lá, muito boas caminhadas.

Passeio Pedestre Rota do Risco e Marmitas
— Parque Natural da Arrábida, domingo 23 de novembro 2014
Notícia 11 nov. 2014

  • Escarpa do Risco
    Foto: A.S Palma (http://www.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnar/galeria)

  • Terras do Risco
    Foto: A. Muxagata (http://www.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnar/galeria)

  • Terras do Risco
    Foto: A. Muxagata (http://www.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnar/galeria)


Uma vez mais, levaremos a efeito um passeio pedestre em conjunto com a delegação de Setúbal.

O palco escolhido para o mesmo é a zona de Sesimbra. A Rota do Risco é um percurso indicado para caminheiros mais resistentes, já que o grau de dificuldade é alto, mas nada de impossível. O trajecto terá início na pequena localidade de Pedreiras de Cima e vamos subindo gradualmente até alcançarmos a falésia do Risco, a escarpa marítima de composição calcária mais alta de Portugal continental. São 380 metros que se elevam de um mar de águas transparentes. Depois da subida, voltamos para trás e a nossa caminhada levar-nos-á pelas terras do Risco até às Marmitas de Gigante, onde a grande aventura é percorrer a Ribeira do Risco. A visita a este local de interesse geológico só se fará se houver condições de segurança e se a ribeira não levar água.

Não se esqueça de:

Levar roupa confortável e que proteja bem os braços e as pernas, já que iremos encontrar vegetação densa e agressiva.
Usar calçado confortável e com sola aderente, de preferência botas.
Levar uma pequena merenda e água q.b.

Atenção: esta actividade não tem seguro incluído

Ficha técnica

Ponto de encontro: no fim da rua da serra da Arrábida, em Pedreiras de Cima, Sesimbra.
Como chegar:
— De Lisboa seguir pela EN 378 no sentido Santana/Sesimbra Nascente; na rotunda dos espadartes, junto ao Pingo Doce, seguir no senti de Pedreiras. Depois de passar a escola primária, seguir pela rua de cima (direita) até ao fim e está no destino.
— De Setúbal seguir rumo a Sesimbra até à rotunda junto do Pingo Doce. Depois seguir o caminho indicado anteriormente.
Coordenadas GPS: N 38 27' 22.32'' W 9 04'17.64''
Concentração: às 8h15
Início da caminhada: 8h30
Duração aproximada: 5 horas.
Extensão do Trilho: cerca de 15 Km.
Grau dificuldade: só para experientes.
Topologia: circular. Grande parte do percurso é trilho técnico e de progressão lenta. Caminharemos por zonas de vegetação densa, um pouco sobre pedra calcária irregular e muito escorregadia e alguns estradões de terra batida. Poderá haver alterações no percurso inicialmente previsto, em conformidade com as condições do terreno e atmosféricas, na data da realização do evento.
Pontos de interesse: Paisagens muito bonitas e marmitas de gigante.

› Cartaz (.pdf)


Caminhada Do Museu ao Marquês — relato do percurso
Notícia 3 nov. 2014


Estava uma manhã primaveril, até um pouco quente, quando, à hora prevista (8H 30M), 13 caminheiros partiram do Museu da Electricidade com destino ao Marquês de Pombal.

O desafio era aliciante pois, para fazer aquela ligação, iríamos percorrer 15 Km de trilhos no bosque denso e diversificado do Parque Florestal de Monsanto (PFM).

O silêncio da floresta, o contraste das cores, e a alternância de zonas de luz e sombra, permite o recolhimento interior mas, também, potencia o convívio e a solidariedade entre companheiros de jornada. Tudo isto aconteceu.

Após a passagem pelo Parque da Serafina deixámos o PFM, não sem antes saudarmos um dos seus guardiões, o Moinho das Três Cruzes do Calhau. Para acabar a “obra” faltava percorrer o Corredor Verde até ao Parque Eduardo VII. Aqui chegados, junto ao Pavilhão Carlos Lopes, fizemos a última paragem. Uma sessão de alongamentos colocou as “peças” no local correcto, preparando futuros esforços. À hora prevista, 14H 40M, após 21 Km foi concluída a caminhada.

Um agradecimento ao companheiro Manuel Madeira, do Grupo de Caminheiros “O CAOS” que, com o seu conhecimento e disponibilidade, ao longo de muitas horas e vários reconhecimentos no local, permitiu a selecção dos trilhos dentro do PFM.

Caminhada Do Museu ao Marquês
25 de outubro
Notícia 16 out. 2014

  • Museu da Electricidade
    Foto: Helge Gudmundsen (https://flic.kr/p/dUA9Yq)

  • Parque Florestal de Monsanto
    Foto: Manuelvbotelho (http://commons.wikimedia.org/wiki/File%3AParque_de_Monsanto_5557.jpg)

  • Parque Recreativo do Alto da Serafina
    Foto: Paulo Juntas (http://commons.wikimedia.org/wiki/File%3AParque_da_Serafina)

  • Parque Eduardo VII
    Foto: Roger Wollstadt (https://flic.kr/p/55D8ut)

  • Praça Marquês de Pombal e Edíficio EDP
    Foto: Flickr.Whisker (https://flic.kr/p/6M88X3)


Esta caminhada pode ser entendida como uma pequena homenagem a todos os trabalhadores do sector eléctrico. Dos pioneiros, cuja memória está corporizada no museu da electricidade, aos actuais e futuros, cujo caminho é condicionado pelo acerto das decisões tomadas no Marquês de Pombal, actual sede da empresa. Vista uma roupa confortável, e faça-se à estrada connosco. Há muito para descobrir e aprender!

Percurso
Partindo em direcção a Algés, pela zona ribeirinha, vamos ao encontro do Parque Florestal de Monsanto (PFM). Ao longo de 15 Km de trilhos e caminhos cravados no mar verde de biodiversidade que é o PFM , iremos, na fase inicial, até Caselas, passando pelo Forte do Alto do Duque. Subiremos depois aos os Montes Claros, continuando para o Moinho do Penedo, onde faremos uma breve pausa para merendar e desfrutar da paisagem sobre o rio , a ponte e terras da margem sul. Retomando a marcha vamos ao encontro da encosta norte, onde se situam dois pontos elevados, os Moinhos do Mocho e as Lunetas dos Quartéis. Daqui, contornando os limites do Forte de Monsanto, chegamos ao Parque da Serafina. Já em zona urbana, através do Corredor Verde pensado pelo Arquitecto Ribeiro Teles, faremos a ligação Monsanto - Marquês.

Ficha técnica

Tipo de Caminhada: Linear e Mista - Florestal (75%) , Urbana (25%)
Partida: Museu da Electricidade, junto ao relvado do lado da Estação Fluvial de Belém
Chegada: Sede da EDP, Marquês de Pombal 12
Concentração: No relvado junto à Estação Fluvial, às 8h 15m Hora de Partida: 8h 30m
Duração: 6 Horas
Distância: 21 Km
Dificuldade: Média. Muitos desníveis, alguns acentuados
Não esquecer de levar: roupa confortável, calçado apropriado para caminhadas, água e alimentos
Estacionamento: Junto à Estação Fluvial
Atenção: caminhada sem seguro


› Cartaz (.pdf)
› Para mais informações contacte-nos

Passeio Pedestre Lisboa Encantada — relato do percurso
Notícia 8 julho 2014


Podia ter sido uma boa manhã de praia. A temperatura elevada, esperavam-se 35 graus, assim o permitia. No entanto, 29 caminheiros trocaram esse prazer pelo gosto de caminhar por Lisboa. O trajecto proposto, cerca de 15,5 Km com muitos declives, foi concluído em cinco horas e meia. Por caminhos por vezes menos óbvios , tendo como objectivo principal chegar aos miradouros, fomos ultrapassando as dificuldades do percurso distraídos pelos os motivos de interesse que foram muitos.

Dois acontecimentos, não previstos, ajudaram a melhorar o programa:
A concentração de barcos tradicionais do Tejo, junto ao Cais das Colunas.
Encontrar a Ermida da São Gens, normalmente fechada, aberta, permitiu a visita ao seu interior e, o acesso à célebre cadeira de pedra, para muitos milagrosa, daquele bispo de Lisboa.

Apesar do calor e de algum lixo extra, resultado das festividades em curso, esta actividade foi concluída sem incidentes. O agrado foi generalizado. Concluiu-se assim, de forma digna, a época 2013/2014 das caminhadas. Boas férias.

Passeio Pedestre Lisboa Encantada
— sábado 14 de junho

Notícia 5 junho 2014


Junte-se a nós e aos colegas do Clube EDP de Setúbal e venha percorrer os encantos das ruas e vielas lisboetas.

Esta será a úlima caminhada da época, mas promete ser uma das mais memoráveis. O ponto de partida é a Avenida da Liberdade, depois rumamos para a zona onde andaram o primeiro Bispo de Lisboa, São Gens, e o nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, na preparação da tomada da cidade aos mouros. Deixando para trás a Graça, vamos percorrer zona ribeirinha entre o Cais do Sodré e a Praça do Comércio, fazendo ainda uma visita pormenorizada ao Bairro de Alfama.

Os pontos altos da cidade ajudam-nos a manter o rumo certo e a descobrir vistas únicas da cidade, pelo que são de paragem obrigatória os Miradouros de São Pedro de Alcântara, Graça e Srª do Monte. Claro que para os alcançar temos muito que palmilhar, subindo e descendo por calçadas, escadarias e becos, onde a cada esquina muito há para descobrir... O regresso é a descer e será feito Pelo Largo de São Domingos, depois de passar- mos pela Mouraria, Martim Moniz, Largo do Intendente e Miradouro do Tourel.

Partida: Monumento aos Mortos da Grande Guerra, às 8h45m (a meio da Avenida da Liberdade, junto ao Cinema São Jorge)
Duração: 5h30m
Distância: 14 Km
Dificuldade: Média; Muitos desníveis acentuados
Não esquecer: Levar calçado apropriado, protecção solar e água Estacionamento - Pago na avenida. Gratuito, fora da Avenida
Pontos de interesse: Miradouros; Igrejas de S. Roque, Conceição Velha, Santo António, S. Vicente de Fora e Capela da Srª do Monte; Casa dos Bicos, Campo e Mercado de 5tª Clara, Bairro Estrela D'Ouro, Vilas Berta e Sousa, Chafarizes, fontes, lavadouros e alcaçarias de Alfama.

Sem marcação prévia. Sem seguro. Sem grupo mínimo


› Cartaz (.pdf)

Saiba mais — contacte-nos

Rota do Formosinho, Parque Nacional da Arrábida — relato do percurso
Notícia 13 maio 2014


Manhã de temperatura agradável, sol radioso e céu de um azul sem mácula. Foram cinco horas e meia bem passadas para 29 caminheiros, sendo 13 do Clube EDP de Lisboa. Treze quilómetros caminhados com entusiasmo e vigor, por trilhos cravados na soberba e ancestral mancha verde. Paisagens de encantar, que infelizmente nem todos puderam ver, pois tivemos três desistências praticamente no início do percurso. A travessia do maciço central, estrada de pedregulhos polidos, deu luta.Todo o cuidado foi pouco para evitar acidentes. Na fase descendente, novo deslumbramento. A panorâmica da serra debruçada sobre as águas, a silhueta recortada no céu azul claro, o azulão do mar a perder-se na bruma do horizonte, só por si valia a caminhada. Os verdes das Terras do Risco e, as sombras da Ribeira do Fojo, esperavam por nós. No final, após vencer mais uns trilhos difíceis, a satisfação de ter superado as dificuldades e sentir e a alma preenchida.

Passeio Pedestre Arrábida Rota do Formosinho
— domingo 11 de maio

Notícia 5 maio 2014

  • Parque Natural da Arrábida | foto © Gustavo Veríssimo (https://flic.kr/p/CB3t)


Aceite o nosso desafio, calce uns sapatos confortáveis, vista uma roupa fresca e suba connosco ao ponto mais alto da Serra da Arrábida, o Formosinho, a 501 metros de altura. Partindo do Portinho, por trilhos dentro da mata, surge o primeiro desafio da jornada, o desnível da encosta até ao convento. Não sendo possível entrar nas zonas de reserva integral, Mata Coberta e Mata do Solitário, teremos 2 ligações por alcatrão. A primeira, após o convento e com cerca de 1,5 Km, conduz­-nos a um trilho que permite uma boa progressão até um marco geo­désico. Atravessando grande parte do maciço central, a descida será feita para o lado de Casais da Serra. Continuando por terras do Risco vamos enfrentar o últmo grande desafio, o desnível para chegar à estrada. O troço final, descend­ente e com cerca de 2 Km, será feito em alcatrão. Nota: Esta actvidade é conjunta, vamos à boleia do Grupo de Caminheiros do Clube EDP de Setúbal.

Início e fim do percurso: Junto da Colónia Férias Casa do Gaiato, a 200 mt do Portinho
GPS: N 38º 28' 15,00'' w 09º 59' 17,10''
Estacionamento: na zona envolvente

Classificação do trilho:

Difculdade: Difícil
Tipo: Circular
Distância: 14 km
Ínício:
9h00
Concentração: 8h45m
Duração: 5 horas
Altura Máxima: 500 metros
Localidades mais próximas: Portinho da Arrábida e Casais da Serra
Locais de abastecimento: Não
WC públicos: Não
Outras características: Percurso de Natureza. Não esquecer calçado apropriado, antiderrapante e de preferência botas. Leve também roupa que proteja os braços e pernas.

Passeio Pedestre Arrábida Rota do Formosinho — domingo 11 de Maio
Sem marcação prévia. Sem Seguro. Sem grupo mínimo.


› Cartaz (.pdf)
› Boletim de Inscrições (.pdf)

Saiba mais — contacte-nos

Passeio em BTT Aldeias da Arrábida
— 11 de maio. Inscrições até dia 2 de maio

Notícias 28 abril 2014

  • Parque Natural da Arrábida | foto © Bosc d'Anjou (https://flic.kr/p/92vwcq)

  • Parque Natural da Arrábida | foto © Bernt Rostad (https://flic.kr/p/51fYs)

  • Parque Natural da Arrábida | foto © culebrense (https://flic.kr/p/6vKtdP)


Passeio de BTT no sopé da Serra da Arrábida, passando pelas pequenas aldeias e terras que se estendem na base da serra (Casais da Serra, Pedreiras, Portela, Picheleiros). Este percurso atravessa zonas rurais entre aldeias, com ligações feitas em caminhos de terra e estradões ladeados de sobreiros e outras espécies autóctones. Trata-se de um passeio activo, mas sem grandes desníveis.

Advertências: Deve trazer calçado prático e de sola aderente, roupa confortável para desporto ao ar livre, cortavento (kispo), uma muda de roupa para vestir após a actividade, pequena mochila e um reforço alimentar. Sugerimos ainda que traga luvas.
Inclui: Acompanhamento da equipa de monitores de Vertente Natural e seguro de acidentes pessoais.

Duração: meio dia (manhã)
Grau de dificuldade: Médio
Ponto e hora de encontro: 9h30, na povoação de Casais da Serra – Serra da Arrábida
Data limite de inscrição: 2 de maio 2014
Nº mínimo de participantes: 10 Pessoas


— Cartaz (.pdf)

Relato do percurso pedestre da Mata dos Medos, Fonte da Telha
domingo 9 de Março

Notícia 10 março 2014


Apesar da manhã cinzenta e um pouco ventosa, 48 caminheiros puseram pés ao caminho e completaram 14 Km de trilhos em 4 horas. O sol não apareceu para aumentar o contraste das cores. Dos verdes da floresta, do azul do mar e, do dourado das areias, mas a visibilidade era razoável.

Na fase inicial da caminhada, fomos ao encontro do Posto de Vigia do Cabo da Malha que, a uma cota de 92 metros ( a arriba tem uma altura média de 70 meros naquela zona ) permite uma vista de 360º. Dali se avista o Cabo Espichel, o Castelo de Sesimbra, todo o manto verde que vai da Apostiça a Terras de Azeitão e, cobre o sopé da Serra da Arrábida. Toda a linha de costa da Cova do Vapor ao Cabo Espichel e, a norte, de Lisboa até Cascais. A Serra de Sintra, da Pena à Peninha. Até o Cristo Rei se vislumbra.

Deixando esta elevação no coração da zona mais afectada pelo grande incêndio de 1978, na companhia de alguma chuva, fomos ao encontro da mata mais densa. É neste troço que podemos ver as Sabinas-das-Praias crescerem até tocarem a copa dos dos Pinheiros-Mansos, por vezes 3 ou 4 metros, facto que será o toque diferenciador da beleza desta mata.

Houve ainda tempo para voltar a observar a linha de costa a partir de um miradouro sobre a Praia do Rei. De regresso ao ponto de partida, sem qualquer incidente, foi evidente o agrado generalizado pela realização desta jornada. Como os caminhos são muitos e variados, até um próximo trilho.

Percursos Pedestres EDP — Mata dos Medos Fonte da Telha
domingo 9 de Março

Notícia 28 fev 2014


A Mata Nacional dos Medos Fonte da Telha é Reserva botânica desde 1971, actualmente inserida na área da paisagem protegida da arriba fóssil da costa da caparica. Foi criada por ordem régia de D. joão V para travar o avanço das areias para o interior.

Será nesta mata, dominada por pinheiros mansos e bravos, mas também por vegetação rasteira como a sabina-das-praias, a aroeira e o medronheiro, a murta e o rosmaninho, que se irá desenrolar esta caminhada. Perto do mar, será uma caminhada de contrastes, cheiros e sons que ajudam a embelezar algumas vistas deslumbrantes.

Local de encontro
Parque em frente à descida para a praia da Fonte da Telha
GPS: N 38º 34’ 34, 49’’ W 9º 11 35,34’’

Como chegar
Pela Caparica, seguir pela estrada paralela às praias até ao destino. Pela Charneca da Caparica, seguir até à Fonte da Telha. Vindo do Sul, seguir por Foros de Amora, Belverde, até ao destino. Alternativa: Bombas da Galp do Fogueteiro às 8h 20m

Onde estacionar
Há estacionamento no local. Não descer a rampa de acesso à praia. O parque fica em frente ao edifício da GNR, no início daquela.

Classificação do Trilho

Dificuldade: Percurso fácil, em piso arenoso, quase sempre, compacto
Tipo: Circular
Distância: 12 km
Concentração: 8h45m
Início: 9h
Duração: 4h
Dificuldade: Percurso fácil, com algumas subidas de média intensidade
Equipamento: Calçado apropriado para trilhos de floresta
Locais de abastecimento: Não
WC públicos: Não
Outras características: Bonitas e variadas paisagens

— Cartaz (.pdf)

Relato da caminhada no Parque Florestal de Monsanto, Lisboa domingo 26 de janeiro
29 jan 2014


Uma iniciativa conjunta dos clubes EDP de Lisboa e Setúbal, unidos pela mesma causa de ver e conviver na Natureza, juntou 49 caminheiros das duas delegações. A manhã cinzenta, mas sem muito frio, contribuiu para mais uma jornada de sucesso.

O Parque Florestal de Monsanto oferece grandes potencialidades para muitas actividades de recreio e lazer . A mata fechada, nem sempre é um local acolhedor. No entanto, o seu contraste com clareiras e aberturas pontuais de amplas vistas sobre a cidade e o rio, fazem do Parque Florestal de Monsanto um local muito atractivo do ponto de vista ambiental e paisagístico.

Foram quatro horas bem passadas, num trajecto interessante.. Não se registou qualquer desistência nos 14 quilómetros percorridos sem incidentes. O ambiente vivido foi sempre muito agradável.

Texto extraído e adaptado do sítio do Clube EDP Setúbal

Percursos Pedestres EDP — Parque de Monsanto
— Lisboa, domingo 26 jan. 2014
Notícia 17 jan 2014

passeios

Por trilhos, estradões e pistas, vamos subir da Serafina até ao Moinho do Penedo e Anfiteatro Keil do Amaral, locais já nossos conhecidos de outras caminhadas.
A actividade decorre em ambiente florestal, com passagem nalguns locais conhecidos como a Quinta do calhau, Parque da Serafina, Restaurante Panorâmico e Cruz da Oliveira. O regresso será feito pela Pista da A5, Pista da Pimenteira e Parque da Pedra.
Esta caminhada será conjunta com o Grupo de Pedestrianismo do Clube EDP de Setúbal. Por este motivo realiza-se ao Domingo.

Início/fim: Acesso Este Campolide - Junto ao Bairro da Serafina.
GPS: N 38º 44,196’ W 9º 10,345’
Como chegar: Pela Av. General Correia Barreto, prolongamento da Rua de Campolide, passando por baixo do Eixo Norte-Sul, até à rotunda. Vindo do sul, sair para a Praça de Espanha, passar sob o aqueduto, continuar e, após a subida sair na 1ª à direita. Entra na Rua de Campolide continua sempre em frente até à rotunda.
Onde estacionar: Há estacionamento no local. Alternativa na Rua de Campolide, traseiras da Av. José Malhoa e do edifício sede da EDP Produção.

— Classificação do Trilho

Dificuldade: média
Tipo: Circular
Distância: 14 km
Concentração: 8h30m; Início: 8h45
Duração: 4.30h
Dificuldade: Percurso fácil, com algumas subidas de média intensidade
Equipamento: Calçado apropriado para trilhos de floresta. Possibilidadede alguma lama.
Locais de abastecimento: Não
WC públicos: Sim no Parque da Serafina
Outras características: Bonitas e variadas paisagens

— Cartaz (.pdf)

Missão cumprida. 13km feitos sem incidentes ou desistências
Percursos Pedestres — Jardins, Parques e Tapadas, Lisboa, sábado 21 set. 2013
Notícia 27 set 2013

passeios

A actividade correu conforme o previsto, contando com 29 participantes. Foram percorridos cerca de 13Km. Início às 9h 15m, terminando às 13h 30m. Não houve incidentes ou desistências. A jornada foi enriquecida com a presença de um companheiro da REN que, tendo nascido em Alcântara, contou um pouco da história socioeconómica daquela zona, anteriormente industrializada. No final, na visita ao Jardim Botânico Tropical, a maior parte dos participantes optou por não participar. Esta entrada era paga e só contou com 5 participantes.

Percursos Pedestres — Jardins, Parques e Tapadas
Lisboa, sábado 21 setembro 2013
Notícia 16 set 2013

passeios

Este percurso de pequena rota, faz a ligação entre o
Jardim Botânico Tropical e a Tapada das Necessidades. Partindo do Museu da Electricidade, seguindo pela zona ribeirinha até à Doca de Alcântara, chegamos à Tapada das Necessidades. Após a sua visita, subimos até ao Parque Florestal de Monsanto pela Quinta do Jacinto, Tapadinha e Bairro do Alvito. Percorrendo o Trilho do Muro da Tapada atingimos o ponto mais alto do trajecto, 184 metros, no Moinho do Penedo. Na fase descendente da caminhada vamos passar pelo Palácio Nacional da Ajuda, Igreja da Memória, e finalmente, o antigo Jardim Colonial com entrada no Largo dos Jerónimos, cuja visita é paga. Nota: Ir prevenido(a). Esta entrada custa 2 euros, mas valerá a pena.

Partida: Museu da Eletricidade — entrada principal
Concentração: 9h com saída às 9h15
Tipo de Percurso: Misto
Dificuldade: Média
Duração: 4h
Distância: 11 Km
Ponto mais alto: Moinho do Penedo (184mt)
Recomendações: Não esquecer calçado apropriado

Existe no percurso, wc público e locais de abastecimento
A participação nesta iniciativa não necessita de marcação prévia, é grátis e não tem seguro


› Cartaz (.pdf)
› Saiba mais — contacte-nos

Olhamos Lisboa a partir de seis miradouros
Sábado, dia 29 de junho às 8h30
Notícia 24 jun 2013

passeios btt

Partindo do Marquês de Pombal, vamos ao encontro de um espaço por onde andaram o primeiro bispo de Lisboa, São Gens (ainda no período romano) e o nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, na preparação da tomada da cidade aos mouros: o Bairro da Graça.

Os pontos altos da cidade ajudam-nos a manter o rumo certo.
Miradouros para o coração da cidade — São Pedro de Alcantara, Graça e Sra do Monte.
Miradouros para o estuário do Tejo e terras da margem sul — Sta Luzia, Portas do Sol e Sta Clara.

Para além dos miradouros, passaremos ainda por inúmeros pontos de interesse, como as igrejas de S. Roque, S. Vicente de Fora e Capela Sra do Monte. O Campo e Mercado de Santa Clara, Bairro Estrela D’Ouro, Vilas Berta e Sousa, a Voz do Operário e a Tasca do Fado Vadio.

Partida: Marquês de Pombal nº 12
Concentração: 8h30 com saída às 8.45h
Duração: 4h
Distância: 12 Km
Ponto mais alto: Miradouro da Srª do Monte

Sem marcação prévia e sem grupo mínimo

› Cartaz (.pdf)
› Saiba mais — contacte-nos

Passeio em BTT
Dinossáurios de Bicicleta — Cabo Espichel, domingo 2 junho 2013
Notícia 6 maio 2013

passeios btt

A Delegação de Lisboa do Clube EDP vai promover, em exclusivo para os seus associados e familiares,um passeio de BTT no planalto do Cabo Espichel.

Breve descrição: BTT no planalto do Cabo Espichel ao longo da bela linha de costa. Interpretação do Santuário do Cabo Espichel, da fauna, da flora e geologia. Visita e interpretação das pistas de pegadas dos dinossáurios do período Jurássico e Cretácico.
Duração:
1/2 dia (manhã)
Grau de dificuldade: Baixo / Médio
Ponto e hora de encontro: 09:30 na Povoação dos Pinheirinhos
Advertências: Deve trazer calçado prático de sola aderente, roupa prática para desporto ao ar livre, corta-vento (kispo), uma muda de roupa para vestir pós actividade, pequena mochila e um reforço alimentar. Sugerimos ainda que traga luvas.
Inclui: Acompanhamento da equipa de monitores de Vertente Natural e seguro de acidentes pessoais.

Número mínimo de participantes: 10
Data limite de inscrição: 27 de maio

› Cartaz (.pdf)
› Boletim de Inscrição (.pdf)
› Saiba mais — contacte-nos

Percursos Pedestres — 16 km pelos jardins e hortas da cidade
Notícia 23 maio 2013


Foi no dia 18 de Maio que um grupo de caminhantes andou um pouco mais de 16 Kms.
A caminhada correu normalmente, contou com a participação de 11 caminhantes e todos sobreviveram a " tão dura prova"! O tempo foi favorável com uma temperatura média, sempre com sol.

No final, já no Parque das Conchas e Lilases, houve uma pequena sessão de Chikung, direccionada para alongamentos e coluna.


Fotografias © Manuel A. Madeira 2013

Percursos Pedestres
Hortas e Jardins de Lisboa — Quinta das Conchas 18 maio 2013
Notícia 10 maio 2013

passeios btt

Partindo do Parque das Conchas, utilizando ruas, alamedas, avenidas, azinhagas e baldios, vamos ao encontro dos jardins e hortas urbanas da Alta de Lisboa. Passando junto aos estádios de Alvalade e da Luz, jardim de Telheiras, Jardim da Luz , Carnide, Bairro Padre Cruz e Lumiar. Na fase final, atravessamos o Jardim da Alta de Lisboa e a Quinta das Conchas e Lilazes. Outros postos de interesse - Igreja da Luz, Casa do Artista, Templo Hindu Radha Krishna, Museu Nacional do Teatro e Museu Nacional do Traje no Palácio do Monteiro-Mor.

Tipo: Caminhada urbana
Duração:
4h45 (início: 8h45; fim: 13h30)
Grau de dificuldade: Fácil
Ponto e hora de encontro: Saída da estação de metro Quinta das Conchas (linha amarela Rato — Odivelas — 8h45.
Advertências: Não esquecer uma boa provisão de água

› Cartaz (.pdf)
› Saiba mais — contacte-nos

Passeio Pedestre Almada Nova, Almada Velha
Sábado, 16 março 9h

Notícia 13 março 2013

PasseiosPartindo do Parque da Paz, vamos em direcção ao Cristo Rei passando pelo Pragal, onde poderemos cumprimentar Fernão Mendes Pinto. Sempre com Lisboa à vista, descemos a falésia em direcção a Arealva, memória viva dum tempo de forte industrialização. Continuando, passamos por Olho de Boi e a sua Fonte da Pipa, e atingimos Cacilhas com a sua réplica do antigo Chafariz das Alimárias. Subindo para Almada, vamos passar pelo seu forte e jardim adjacente, Paços do Concelho, onde a República foi proclamada de véspera ( 4 de Outubro ), Pátio do Prior do Crato, Casa da Cerca e , Escadaria da Boca de Vento. O regresso poderá ser feito pelo Seminário de S. Paulo ou, novamente, pela margem do rio Tejo.

Sem marcação prévia. Sem grupo mínimo.

Passeio Pedestre Almada Nova, Almada Velha — sábado, 16 de março, 9h
Local de encontro:
Parque de estacionamento da 1ª escapatória da 1ª rotunda
Como chegar: Passar Ponte 25 de Abril, sair em direção a Almada. Na 1ª rotunda sair na 1ª escapatória
Onde estacionar:
Há estacionamento na zona

Classificação do trilho:

Tipo:
circular
Distância:
11 km
Concentração: 8h45
Ínicio: 9h
Duração: 4h
Dificuldade: Média com 2 subidas prolongadas e desnível acentuado

Local de abastecimento: Sim
WC públicos:
Sim
Outras características:
Paisagem muito bonita

› Cartaz (.pdf)
› Saiba mais — contacte-nos

Passeio Pedestre Parque Florestal de Monsanto
Sábado, 2 fevereiro, 9h

Notícia 28 jan 2012

PasseiosApós subirmos o Parque Eduardo VII, percorremos o corredor ecológico de Lisboa em direcção ao Bairro da Serafina. Aqui, faremos o acesso ao parque Florestal de Monsanto que oferece grandes potencialidades para uma caminhada sempre em contacto com a natureza. Passaremos pelo início do Aqueduto, Parque da Pedra, Parque da Serafina e Espaço Monsanto. O regresso será feito pelo Palácio do Marquês de Fronteira, e Bairro do Calhau . Venha, ver, sentir e viver uma manhã diferente e em contacto com a natureza, ao mesmo tempo pode admirar alguns aspectos de Lisboa.

Local de encontro:
O passeio inicia no Marquês de Pombal, nº 12 em frente à Sede da EDP
Data e horário:
sábado, 2 de fevereiro, 9h (concentração às 8h45)

Distância:
11 km
Duração: 3h
Nível de dificuldade: Fácil com algumas subidas de média intensidade

Este passeio não precisa de marcação prévia!
A concentração está marcada para as 8h45 junto à Sede EDP no Marquês de Pombal — o passeio inicia às 9h.

› Passeio Pedestre Parque Florestal de Monsanto — 2 fevereiro, 9h (.pdf)

› Saiba mais — contacte-nos

Passeio Pedestre À Descoberta de Lisboa — 24 novembro
Notícia 14 nov 2012

PasseiosPartindo do Marquês de Pombal, vamos ao encontro de um espaço por onde andaram o primeiro bispo de Lisboa, São Gens (ainda no período romano) e o nosso primeiro rei, D. Afonso Henriques, na preparação da tomada da cidade aos mouros: o Bairro da Graça. Os pontos altos da cidade ajudam-nos a manter o rumo certo. Miradouros para o coração da cidade - São Pedro de Alcântara, Graça e Srª do Monte. Miradouros para o estuário do Tejo e terras da margem sul - Stª Luzia, Portas do Sol e Stª Clara. Para além dos miradouros, passaremos ainda por inúmeros pontos de interesse, como as igrejas de S. Roque, S. Vicente de Fora e Capela da Srª do Monte. O Campo e Mercado de Stª Clara, Bairro Estrela D’Ouro, Vilas Berta e Sousa, a Voz do Operário e a Tasca do Fado Vadio. Não necessita de inscrição

Local:
O passeio inicia no Marquês de Pombal, nº 12
Data e horário:
sábado, 24 de novembro, 9h

Concentração: no espaço em frente às 8h45
Distância: 12 km
Duração: 4h
Ponto mais alto: Miradouro da Sra do Monte

Atenção: Este passeio não precisa de marcação prévia, basta estar, às 8h45, na concentração no Marquês de Pombal, nº 12, no espaço em frente às 8h45. Os participantes não têm qualquer tipo de seguro.

› Passeio Pedestre À Descoberta de Lisboa (.pdf)

› Saiba mais — contacte-nos

Passeio Pedestre Rota da Diversidade
13 outubro, 9h (inicia no Museu da Electricidade em Lisboa)

Notícia 2 out 2012

Passeios Junte-se a nós neste percurso de pequena rota que faz a ligação entre a zona ribeirinha de Lisboa e o Parque Florestal de Monsanto, dois “mundos” diferentes unidos por uma malha urbana com muitos pontos de interesse. A partida está marcada para as 09.00h (em ponto!) à porta da entrada principal do Museu da Electricidade. Daqui deixaremos a margem do Tejo e atravessaremos a linha do caminho-de-ferro, passando depois por pontos de interesse como a Capela do Alto de Santo Amaro, o Geomonumento do Rio Seco, Campus Universitário da Ajuda e entrando de- pois no Parque Florestal de Monsanto, onde teremos oportunidade de ver o Anfiteatro Keil do Amaral, o Moinho do Penedo, Pedreira dos Cactos e Jardim dos Montes Claros. Na fase descendente da caminhada vamos passar pelo Palácio Nacional da Ajuda, Igreja da Memória, Capela de São Jerónimo, regressando ao ponto de partida pela Rua dos Jerónimos.

Local:
O passeio inicia no Museu da Electricidade em Lisboa
Data e horário:
sábado, 13 de outubro, 9h

O que deve levar:
roupa e sapatos confortáveis, água e comida.
Classificação do Trilho
Dificuldade: média
Tipo: circular
Distância: 13 km
Ascensão Total: 184 m
Locais de abastecimento: sim
wc públicos
Duração: 4h
Início: 9h

Atenção: Este passeio não precisa de marcação prévia, basta estar, às 8h45, na concentração em frente à porta principal do Museu da Electricidade. Os participantes não têm qualquer tipo de seguro.

› Esta iniciativa não tem marcação prévia — basta comparecer no local e horário indicado
› Passeio Pedestre Rota da Diversidade (.pdf)

› Saiba mais — contacte-nos

Passeio de canoa na costa de Sesimbra
Sesimbra — 22 de setembro

Notícia 10 set 2012

Passeios Reiniciamos actividades com um passeio original.
No próximo dia 22 de setembro embarque connosco neste passeio de canoa ao longo da costa de Sesimbra, rica em vida marinha, repleta de grutas e paisagens de uma beleza inesperada.

A iniciativa é aberta a participantes com e sem experiência em canoagem sendo acompanhada por monitores e o grau de dificuldade é considerado baixo/ médio.


Nº minimo de participantes:
10
Duração: 1/2 dia (tarde)
Grau de dificuldade: Baixo/ médio
Data limite de inscrição: 19 setembro 2012
Ponto e hora de encontro: Às 14h30, na Loja nº 6 (junto aos centros de mergulho), no porto de abrigo de Sesimbra.
Breve Descrição: Passeio de canoa ao longo da linha de costa de Sesimbra. Esta actividade desenvolve-se na área da Reserva Marinha Professor Luís Saldanha, riquíssima em vida marinha, repleta de grutas e paisagens de uma beleza inesperada O passeio inclui: Canoa sit-on-top com encosto, pagaia, colete, bidon estanque, acompanhamento da equipa de monitores da vertente Natural, seguro de acidentes pessoais e barco de apoio.

Atenção: Deve trazer calçado prático, que se possa molhar, fato de banho, toalha, chapéu para a cabeça, protector solar, pequena mochila, reforço alimentar e uma muda de roupa para vestir após actividade.

O uso de colete salva-vidas é obrigatório.

› Boletim de inscrição (.pdf)
› Passeio de canoa na costa de Sesimbra (.pdf)

› Saiba mais — contacte-nos

Passeio em BTT
Mata de Sesimbra — 20 maio

Notícia 24 maio 2012

Passeios O dia começou chuvoso mas o S. Pedro foi Generoso connosco e durante a actividade caíram apenas umas tímidas gotas. Os participantes gostaram bastante do passeio, para alguns um pouco mais exigente fisicamente para outros menos mas no geral um passeio muito agradável e animado. Ajudou bastante o facto de serem pessoas muito bem dispostas e motivadas para a ocasião. Alem de apreciarem a paisagem o facto de fazer desporto, pequenas curiosidades, adoraram a Farinha Torrada (doce) que a Vertente Natural ofereceu. No final do Passeio ficou a vontade de continuarmos a realizar este tipo de actividade.

Veja as fotografias do evento

Almoço Convívio Quinta do Lago - Alferrarede com visita à Barragem de Castelo do Bode — 18 março 2012
Notícia 1 fevereiro 2012

PasseiosO Clube EDP Lisboa promove um almoço convívio na Quinta do Lago - Alferrarede com visita à Barragem de Castelo do Bode. A partida é às 8h da Av. Defensores Chaves, 4C, frente à Sede da Delegação de Lisboa, em direção à A1 com breve paragem na área de serviço de Santarém. Visitamos a Barragem de Castelo do Bode e depois almoçamos em Alferrarede na Quinta do Lago. Haverá animação musical, bar aberto e ainda um lanche. Informe-se na secretaria do Clube e faça já a sua inscrição!

Fotografias: Barragem de Castelo do Bode e da Quinta do Lago onde iremos almoçar
Informações e Inscrições: Secretaria do Clube EDP Lisboa — contacte-nos já!
Saiba mais: › Cartaz da iniciativa (.pdf) | › Boletim de Inscrição (.pdf)

A realização de iniciativa está sujeita a um número mínimo de participantes.

Tapada Nacional de Mafra — 2º Raid Pedestre
Notícia 29 Abril 2011

PasseiosA delegação de Lisboa do Clube EDP associa-se ao 2º Raid Pedestre que decorre no dia 29 de Maio na Tapada Nacional de Mafra. Convidamos os sócios do clube a entrar nesta aventura. A actividade está limitada ao número máximo de 500 participantes e inclui percursos de 12 a 20km.

A inscrição inclui: Raid; seguro; abastecimento; mapa de percurso; exibição de aves de rapina e lembranças para os visitantes.

Região: Tapada Nacional de Mafra
Concentração:
Portão do Codecal (GPS 38"57-53N / 009"18-09W)

Informações e Inscrições: Até 20 de Maio 2011 › Boletim de Inscrição (.pdf)
Saiba Mais: Cartaz (.Pdf) | Contacte-nos

Passeio Pedestre Sintra a Seus Pés — Sábado, 12 Março
Notícia 31 Março 2011

PasseiosRealizou-se a 12 de Março o Passeio Pedestre - "Sintra a seus Pés", considerado pelos participantes como uma boa realização. A concentração teve lugar no largo do Palácio da Vila em Sintra, uma vez que o percurso foi construído em duas vertentes, o Urbano pela Zona de Sintra Velha, e o da Natureza, que abrangeu as quintas de Lazer, os velhos caminhos pedonais e algumas estradas florestais. Os locais de interesse observados, entre os quais se destacam o Palácio da Vila, a Quinta da Regaleira, o Palácio e Lenda de Seteais e a Igreja de S.Pedro, entre outros, e a boa disposição de todos, fez com que no final do passeio  perguntassem pela data e local do próximo passeio.

Descrição e informações técnicas

Região: Sintra
Local: Vila e Serra de Sintra. Temáticas: História, Natureza, Paisagem.
Percurso: Urbano e de Natureza pela zona de Sintra velha, quintas, velhos caminhos pedonais e estradas florestais em plena vegetação sintrense.
Assuntos de interesse: Sintra na história, Palácio da Vila, Quintas de Lazer, Eça de Queiroz, Quinta do Castanheiro, Quinta do Relógio, Quinta da Regaleira, Lord Byron, Palácio e Lenda de Seteais, formação geológica da serra, lendas, Igreja S.Pedro, Hans Christian Andersen, Igreja Santa Maria, Parva Sed Apta, Fonte da Sabuga.

Tipo de percurso: Circular
Meio: Urbano e Natural.
Distância: 6Km
Duração aproximada: 3h
Desnível máximo: 320m
Subidas: Uma longa
Dificuldade: Média

Cartaz (.Pdf)

Delegação de Lisboa organiza Peddy-Paper Lisboa no dia 3 de Julho

A Delegação de Lisboa promove o Peddy-Paper no dia 3 de Julho. O grupo, acompanhado por um guia oficial de turismo, parte do Campo das Cebolas, em direcção ao Castelo de S. Jorge, passando pela Sé de Lisboa. O trajecto tem a duração de duas horas e um nível de dificuldade baixo/médio.
Inclui seguro de acidentes pessoais, águas e uma peça de fruta. Junte-se a nós nesta aventura. inscreva-se!


Inscrições: Até 18 Junho | Contacte-nos
Nº minimo de participantes: 20
Sobre a iniciativa (.Pdf) | Boletim de Inscrição (.Pdf)

Outros destaques

Sobre os Passeios | Notícias